sábado, 29 de setembro de 2012

Cantoras dos Anos 80 - Diana Ross


Simplesmente uma das mais bem sucedidas cantoras das últimas décadas! Passou por cima de uma infância difícil e atingiu record's de venda só ultrapassados pelos Beatles. Diana Ross é a segunda filha de uma família de seis irmãos, que cresceram em Brewster-Douglass, um gueto em Detroit. Tal como toda a família, Diana Ross fazia parte do coro da Igreja Baptista.

Já no Liceu a frequentar o curso de Design de Moda, foi convidada a cantar com as Primettes, apresentadas entretanto por Smokey Robinson aos Estúdios da Motown. Sensatamente, o produtor Berry Gordon deu a resposta: «terminem primeiro o Liceu e depois voltem cá». Obedeceram. Assim que viram um ponto final nos estudos, em 1962, pouco ou nada esperaram para bater de novo à porta da Motown. Assinaram contrato e, mudaram o nome para "Supremes".

"Where Did Our Love Go" deu nas vistas e levou-as até ao topo da tabela americana ao venderem cerca de dois milhões de singles! Imparáveis... lideravam a cena musical americana (e não só) com uma série de nºs 1, uns atrás dos outros! "Baby Love" (1964), "Stop! In the Name of Love" (1965), "Back in My Arms Again" (1965), "I Hear a Symphony" (1966) "You Keep Me Hangin' On" (1966), "You Can't Hurry Love" (1966), "Love Is Here and Now You're Gone" (1967), and "The Happening" (1967).

Com a saída da Motown da equipa que compunha para as Supremes, em 1967, e a de Florence Ballad também, surgem os primeiros rumores da possível saída de Diana Ross do grupo com a intenção de fazer uma carreira a solo. Antes de acontecer, em 1969, ainda gravaram mais uma música. Mesmo que não fosse a da despedida, o nome já dizia tudo... "Someday, We'll Be Together".

No ano seguinte já se ouvia falar de Diana Ross em grande! "Reach Out and Touch", o single de estreia, transformou-se rapidamente num êxito estrondoso.Em pouco tempo, já era Diana Ross que ajudava a lançar outros os artistas, como os Jackson 5. Mudou-se para uma casa de sonho em Beverly Hills e, no ano seguinte, casou-se com Robert Silberstein, agente musical, de quem teve 3 filhas: Rhonda, Tracee, e Chudney.

A sua voz levou-a a fazer o papel de Billie Holiday no filme Lady Sings the Blues e a sua prestação levou-a até á Academia dos Óscares que a nomeou na categoria de melhor atriz. Mais tarde, como intérprete da banda sonora do filme "Mahogany", vê a sua música nomeada como Melhor Canção de Banda Sonora.

Em 1973, regressa ao seu já habitual lugar no top, o 1º posto, desta vez com "Touch Me in the Morning". É também nesta altura, que, depois de nascer a sua terceira filha, se divorcia de Silberstein. "Love Hangover" é o seu nº1 três anos depois e, depois de um tempo na Broadway com "An Evening with Diana Ross", já no inicio dos anos 80, o regresso de Diana Ross aos Top's com "Upside Down"... a sua 16ª música a conquistar o primeiro lugar da tabela.

É em 1985, que começa a abrandar. Deixa Beverly Hills para viver em Connecticut e casar com o norueguês Arne Naess.

No final dos anos 90, começou a aparecer frequentemente nas revistas e jornais americanos não por ter lançado um novo disco, mas sim por ser acusada de agressão a um segurança no aeroporto de Heathrow; dois anos mais tarde, foi presa por conduzir sob o efeito de álcool, até que resolveu aceitar tratar-se numa clínica de reabilitação por abuso de álcool e drogas. Recuperada, surge, em 2005, com "I've got a crush on you", em dueto com Rod Stewart.

quinta-feira, 27 de setembro de 2012

Séries de Televisão - V

terça-feira, 25 de setembro de 2012

Actrizes de Cinema dos Anos 80 - Uma Thurman

Fez-se com Tarantino e disso não há dúvidas. É ele que lhe consegue retirar todo o seu potencial como actriz dramática. Mas a sua carreira tem vivido de outros papeis interessantes, que fazem dela uma das actrizes mais respeitadas da actualidade...

Nasceu a 29 de Abril de 1979 em Boston, filha de uma modelo sueca e um professor de orientação budista. Cresceu num ambiente extremamente orientalizado, com visitas regulares do Dalai Lama a sua casa. Desde sempre sonhou em ser actriz e aos 15 anos abandonou a escola onde estava para prosseguir o seu sonho em Nova Iorque.
O seu primeiro papel no cinema chegaria em 1988, depois de ter feito alguns trabalhos como modelo. Depois de pequenos desempenhos em Johnny Be Good, Kiss Daddy Goodnight e The Adventures of Baron Munchausen chegou o seu primeiro desempenho de destaque. Foi no filme de Stephen Frears, Dangerous Liaisons onde vivia a jovem inocente, que mais tarde se tornará praticamente numa ninfomaniaca, Cecille de Volanges. Com 18 anos Thurman mostrava querer ser actriz a sério, dando um notável desempenho. As cenas de nus, não habituais em actrizes tão jovens então, ajudaram a fazer dela um sex-symbol. Dois anos depois, ao viver a mulher de Henry Miller em Henry and June, a jovem Uma Thurman voltava a quebrar todas as barreiras e afirmava-se como uma jovem starlett em Hollywood.


O inicio dos anos 90 não lhe correu tão bem como esperava. O seu breve casamento com Gary Oldman verificou ser um fracasso e os filmes em que participou a partir de Henry and June não convenciam nem a critica nem o público. Seria Quentin Tarantino quem voltaria a pegar em Uma Thurman para fazer dela uma estrela. O filme, como todos sabem, era Pulp Fiction e o seu desempenho como Mia Wallace foi de tal forma espantoso que lhe valeu a nomeação ao óscar de melhor actriz secundária, óscar que viria a perder no entanto.
Mesmo assim parecia que a sua carreira estava de novo lançada. Seguiram-se prestações em blockbusters como Batman and Robin, a tentativa falhada de Joel Schumacher em dar vida ao Homem-Morcego, e em The Avengers, a adaptação de uma popular serie britânica dos anos 60 que acabaria por se revelar um fracasso total.
Em 1997, Uma conheceria Ethan Hawke nas filmagens de Gattaca, um thriller de sci-fi. O casal apaixonou-se e casou de imediato, estando agora num processo conturbado de divórcio. O filme foi aplaudido por uma pequena franja de espectadores e foi preciso Woody Allen - em Sweet and Lowdown - e Richard Linklater - em Tape - para voltarem a colocar Uma no mapa.


Com o início do novo milénio a carreira de Uma ganhou nova vida. Primeiro foi o Globo de Ouro em televisão pelo seu desempenho em Histerical Blindness. E depois foi o recuperar da colaboração com Quentin Tarantino em Kill Bill. Ajudando a compor a essência da sua personagem, The Bride, Uma Thurman ganhou especial destaque neste filme dividido em dois que dividiu também opiniões, mas que valeu em dois anos consecutivos a nomeação de Uma ao Globo de Ouro como melhor actriz dramática. Nenhuma resultou em vitória ou em nomeações aos óscares, mas Kill Bill tornou-se num marco da filmografia recente.
Para os próximos anos, Uma Thurman vai estar envolvida em vários projectos que vão desde Be Cool, já estreado, a Prime - a estrear este ano - até The Producers.

domingo, 23 de setembro de 2012

sexta-feira, 21 de setembro de 2012

Automóveis dos Anos 80: Fiat 127


Foi em 1971 que surgiu um dos automóveis de maior sucesso até aos dias de hoje. Com 3,59 m de comprimento e 1,53 de largura, o Fiat 127 começou por ser produzido apenas numa versão de 2 portas. A versão de 3 portas surge em 1972.

Em 1975, atingiu o recorde de vendas na Europa e só em 1987 (16 anos depois de surgir no mercado) é que a produção do Fiat 127 parou. Contas feitas, foram produzidas 3,8 milhões de unidades.

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

sábado, 15 de setembro de 2012

Cantoras dos Anos 80 - Alison Moyet


Entre o final dos anos 70 e o início dos 80, fez parte de várias bandas Punk-Rock e também de Blues, até formar os Yazoo e conquistar os Top's mundiais com as músicas Only You; Don't Go; Situation e Nobody's Diary. Dois anos depois, formou o duo Assembly, mais tarde, fez parte dos Erasure, até decidir-se por uma carreira a solo. São desta fase os êxitos That Ole Devil Called Love; Is This Love e Weak In The Presence of Beauty.

Esteve quase oito anos sem gravar (entre 1994 e 2002), mas voltou em grande força com três discos editados de dois em dois anos. Em 2001, esteve em cena durante seis meses no Musical Chicago e entretanto voltou a reunir-se com Vince Clark para uma série de concertos dos Yazzo.

Deixou a Escola com apenas 16 anos e foi trabalhar como assistente de loja e, mais tarde, enquanto afinadora de pianos. Tem três filhos. Um rapaz, do primeiro casamento com o cabeleireiro Malcolm Lee, e duas meninas: uma de uma segunda relação após o divórcio e, a mais nova, do atual casamento com um professor Universitário.

quinta-feira, 13 de setembro de 2012

Allô Allô

terça-feira, 11 de setembro de 2012

Actrizes de Cinema dos Anos 80 - Nicole Kidman

Durante anos foi apenas conhecida como a senhor Cruise. Viveu na sombra do marido mas já dava provas de ter um enorme talento. Hoje em dia ela é a diva do cinema norte-americano. Trabalha como poucas e continua a mostrar que há poucas actrizes no mundo ao seu nivel...

Nascida a 20 de Junho de 1967 em Honolulu no Havai, Nicole Kidman faz filmes há vinte anos, mas só nos últimos cinco é que se consagrou como uma verdadeira estrela.
Apesar de ter nascido no Hawai, sendo portanto norte-americana, a verdade é que a opinião generalizada é que Kidman é australiana. A justificação está no facto de aos três anos ter ido viver para Sidney. Lá começou uma carreira artistica, primeiro no ballet e mais tarde na representação. Com 16 anos estreou-se no cinema australiano em Bush Christmas. O filme foi um sucesso e lançou a carreira de Kidman como uma das novas estrelas do cinema australiano. Os anos seguines iriam ser marcados por performances em filmes e series televisivas como Vietnam, onde venceu o Australian Film Institute. No final dos anos 80 ela era um dos maiores nomes do cinema australiano. Estava na altura de ir para Hollywood.


Em 1989 a sua estreia no cinema norte-americano chegou ao lado de Sam Neil em Dead Calm. Mas seria em 1990, ao lado de Robert Duvall e Tom Cruise no filme Thunder Days que a actriz finalmente deu nas vistas. E além de mostrar o seu talento e beleza, também conquistou o coração do teen-idol Cruise que imediatamente a pediu em casamento. O casamento ocorreu na vespera de Natal de 19990.
Os seus filmes seguintes, Billy Bathgate e Flirting, provavam o seu valor mas seria de novo ao lado de Cruis em Far and Away que Kidman voltou a afirmar-se junto do grande público.
Mesmo assim o impacto de Kidman era sempre ofuscado pelo marido. Nem filmes como Batman Returns serviram para levar os holofotes para o seu lado.
Foi preciso chegar a 1996 e a To Die For, filme de Gus van Sant, para a critica perceber que por detrás do titulo de senhora Cruise estava uma grande actriz. Com este desempenho chegou a nomeação ao Globo de Ouro. Finalmente a indústria percebia que ali estava um diamante em bruto.


Depois do seu primeiro grande sucesso junto da critica seguiram-se Portrait of a Lady, The Peacemaker e Pratical Magic, papeis que não tiveram o mesmo sucesso do filme de van Sant. Foi preciso voltar a trabalhar com o marido para ter o mundo a seus pés. O filme foi Eyes Wide Shut, último trabalho de Stanley Kubrick que morreria no final das filmagens, filme que marcou também o inicio do fim do casamento de ambos. No ano seguinte o divórcio estava consumado. E para Nicole Kidman ia começar o melhor periodo da sua vida.
Moulin Rouge fez com que o mundo se rendesse aos seus talentos como actriz-cantora e para muitos o óscar devia ter ido para ela naquela noite. Mas não foi e foi preciso esperar pelo ano seguinte e por The Hours para se confirmar como oscarizada. Para trás já tinha ficado The Others, talvez o seu maior papel de sempre.
Em 2003 foram três os filmes - a sua carreira começou a funcionar a um ritmo louco - que marcaram a carreira de Kidman. The Human Stain, Cold Mountain e Dogville, sendo que pelo último, Kidman conseguiu um dos seus maiores desempenhos. Já no ano que terminou Kidman esteve em The Stepford Wives e Birth, tendo sido nomeada ao Globo pelo seu último desempenho.
Kidman é uma das maiores divas de Hollywood, uma das verdadeiras estrelas. Mas é também uma actriz que se dedica exclusivamente à sua carreira. Tem já mais de dez projectos agendados para os próximos cinco anos, incluindo The Interpreter e Eucalyptus, filme que marcará o seu regresso à Austrália.

domingo, 9 de setembro de 2012

Festival da Canção - Dora

sexta-feira, 7 de setembro de 2012

quarta-feira, 5 de setembro de 2012

Cinema dos Anos 80 - Gandhi


segunda-feira, 3 de setembro de 2012

Cinema dos Anos 80 - Gelado de Limão

sábado, 1 de setembro de 2012

Festival da Canção 1965 - 1º Lugar - Simone de Oliveira "Sol de Inverno"


1º Lugar (em 8 Canções) – 91 Pontos

Título: Sol de Inverno
Intérprete: Simone de Oliveira
Música: Nóbrega e Sousa
Letra: Jerónimo Bragança
Orquestração: Fernando de Carvalho
Dir. de Orquestra: Fernando de Carvalho 

Sabe deus que eu quis
Contigo ser feliz
Viver ao sol do teu olhar,
Mais terno.
Morto o teu desejo
Vivo o meu desejo
Primavera em flor
Ao sol de inverno
Sonhos que sonhei
Onde estão
Horas que vivi
Quem as tem
De que serve ter coração
E não ter o amor de ninguém.
Beijos que te dei
Onde estão
A quem foste dar
O que é meu
Vale mais não ter coração
Do que ter e não ter, como eu.
Eu em troca de nada
Dei tudo na vida
Bandeira vencida
Rasgada no chão,
Sou a data esquecida
A coisa perdida
Que vai a leilão.
Sonhos que sonhei
Onde estão
Horas que vivi
Quem as tem
De que serve ter coração
E não ter o amor de ninguém.
Vivo de saudades, amor
A vida perdeu fulgor,
Como o sol de inverno
Não tenho calor.
De que serve ter coração
E não ter o amor de ninguém.
Vivo de saudades, amor
A vida perdeu fulgor,
Como o sol de inverno
Não tenho calor.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens populares

Recomendamos ...