sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

Cantoras dos Anos 80 - Pat Benatar

´

Desde muito pequena que não perdia uma oportunidade que fosse para cantar. Começou cedo a ter aulas de voz e representação e sempre teve uma paixão pelo teatro e pelo Rock, embora os pais só a autorizassem a assistir a espetáculos de ópera ou orquestras sinfónicas. Na escola ensaiava Puccini, em casa, ouvia Rolling Stones numa telefonia pequena escondida no quarto. 

Para grande surpresa da família, Pat Benatar, preferiu seguir Medicina, mas, e com 19 anos apenas, desistiu da Faculdade para casar com Dennis, um militar que esteve nas forças especiais durante a guerra do Vietname. Durante três anos, viveram em Virgina onde Pat Benatar trabalhava num banco. 

Descontente, e depois de assistir a um grandioso concerto de Liza Minnelli, demitiu-se e arriscou de vez uma carreira na música. Cantou durantealgum tempo em vários clubes noturnos até gravar o primeiro disco, 'In The Heat of the Night', lançado em agosto de 79. O êxito foi tal, que, num acontecimento sem precedentes, ganhou quatro Grammy's seguidos! 

Foi também o ano em que se divorciou para, três anos depois, voltar a casar com o guitarrista Neil Giraldo com quem teve duas filhas. 

Já na década de 90, lançou três álbuns, mas nenhum deles chegou a alcançar o mesmo êxito. Nos últimos anos, lançou vários 'Best Of' e um disco com músicas originais. 

Em 2009, Pat Benatar comemorou 30 anos de carreira.

Noticia retirada daqui

quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

Anos 80 - Cinema - Sixteen Candles


terça-feira, 28 de janeiro de 2014

Anos 80 - Cinema - Can´t Buy Me Love


segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

Grupos Musicais Portugueses - D'Age


O grupo era formado por António Dias da Silva (guitarra, voz), Rui Jacob (baixo), Rui Rodrigues (elemento dos UHF, guitarra) e Zé Cabral (bateria).

Em 1986 concorrem ao 3º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vous onde são um dos grupos finalistas. 

Em 1987, João Roque entra para o lugar de Rui Rodrigues. Apresentam ao vivo temas como "Numa Corrida", "Corridas de café", "Sombras", "O Tigre" e "Aparições".

Ficam em 3º lugar no I Festival Luso-Galaico de Rock ao vivo. (1989?)

O grupo termina em 88 mas regressam dois anos depois.

Em Novembro de 90 o grupo era formado por Toné, Rodrigues, Jacob e o baterista João Pedro.

O álbum "Todo Este Mar", produzido por Nódoa Negra e Marsten Bailey, foi editado em 1992 pela Polygram. A formação que gravou o disco era composta por Rui Jacob, João Pedro, Toné e Rui Rodrigues.

Os ex-Essa Entente Paulo Sousa e Paulo Neto entraram para o grupo em 1994.

Está prevista a presença do grupo no há muito falado disco de tributo aos UHF.

DISCOGRAFIA
Todo Este Mar (CD, Polygram, 1992)

Noticia retirada daqui

domingo, 26 de janeiro de 2014

Anos 80 - Cinema - Loverboy


sábado, 25 de janeiro de 2014

Anos 80 - Cinema - Duel To The Death

sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

Anos 80 - Cinema - Hard to Hold


quinta-feira, 23 de janeiro de 2014

Anos 80 - Cinema - Curto-Circuito

quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

Anos 80 - Cinema - Super Fuzz


terça-feira, 21 de janeiro de 2014

Cantoras dos Anos 80 - Sandra Kim


Em Bergen, na Noruega, no dia 3 de maio de 1986, subiu ao palco do Festival da Eurovisão e conquistou a Europa. Tinha apenas 15 anos, embora se tenha vindo a confirmar mais tarde que, afinal, ainda não tinha passado dos 13. Logo, não poderia ter chegado a participar no Festival da Eurovisão. 

Polémicas à parte, a verdade é que a música 'J'Aime la Vie' saiu vencedora e foi escrita pela própria Sandra Kim. 'J'Aime La Vie' obteve pontos de todos os países e ficou no primeiro lugar. Foi no ano em que Portugal foi representado, e muitíssimo bem, pela Dora e a música 'Não sejas mau para mim'. 

Sandra Kim continuou na música durante os anos 90, no entanto sem conseguir grande sucesso. Talvez a razão que a levou a mudar de caminho e tentar a sorte como apresentadora de televisão. Casou-se com Olivier Gérard, o técnico de som dos seus concertos, mas o casamento durou apenas pouco mais de um ano. 

Talvez pelo timbre, na Bélgica, Sandra Kim é frequentemente comparada com Barbra Steisand e Celine Dion. Chegou mesmo a gravar uma versão de My Heart Will Go On, do filme Titanic.

Noticia retirada daqui

segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

Anos 80 - Cinema - The Monster Squad


sábado, 18 de janeiro de 2014

sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

Grupos Musicais Portugueses - Damas Rock


1981. O álbum do Rui Veloso ainda estava bem presente na memória de todos. Muitas portas se abriram e a explosão de novas bandas permitiu a Portugal conhecer muitos músicos.  

Nesse ano integrei a banda de suporte de uma formação que dava pelo nome de Damas Rock (primeiro grupo feminino do rock português com Paula Cristina, Fifi, Anabela  e Mitó).

Tinham então gravado um single e a sua promoção levou-os ao conhecido programa do Júlio Isidro, "A Febre de Sábado de Manhã". Primeiro numa pequena apresentação no cinema Nimas, em Lisboa, e mais tarde no programa ao vivo, transmitido via rádio, e que teve lugar em Tróia. Neste espectáculo participaram nomes como os Salada de Frutas, as Cocktail, os Pizo Lizo e o ex-teclista dos Yes, Rick Wakeman, que vinha divulgar o seu álbum "1984".

No seguimento da apresentação do single de estreia, "Em Cinco Minutos"[Sabotagem], a banda foi convidada a participar em alguns eventos. Dessas acções destacam-se as exibições de Abrantes e a de Alverca, esta de novo com nomes de bandas portuguesas que, na época, se destacavam. Os NZZN eram disso um bom exemplo.

Lançaram mais um single (com letras de Fifi e músicas dos CTT). Nenhuma delas continuou ligada à música depois da aventura Damas Rock.

DISCOGRAFIA
Sabotagem/Sonho (Polygram, 1981)
Passarinho Passarouco/Chamem O 115 (Single, Polygram, 1982)

NO RASTO DE ...
Paula Vieira foi directora de publicidade do jornal Blitz.

Felícia Cabrita licenciou-se em Línguas e Literaturas Modernas. Foi jornalista do Expresso durante 15 anos. Trabalhou ainda na Sic, Grande Reportagem e Sol.

Mitó andou na Faculdade de Letras (em filosofia).

Noticia retirada daqui

quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

Anos 80 - Cinema - Comando

terça-feira, 14 de janeiro de 2014

Anos 80 - Cinema - Desafio no Hawai


segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

domingo, 12 de janeiro de 2014

Cinema dos Anos 80 - Cocktail


sábado, 11 de janeiro de 2014

Cantores dos Anos 80 - David Bowie


É um dos maiores nomes da história da música! (Camaleão). 

A música de Little Richard e Fats Domino influenciou David Bowie que, aos 13 anos, assim que aprendeu a tocar saxofone, oferecido pela mãe no Natal, correu todos os bares onde o deixassem tocar. Fez parte de várias bandas e quando decidiu seguir uma carreira, como um dos elementos dos Monkees tinha o seu nome, resolveu apresentar-se ao mundo como David Bowie. 

Os anos 70 impulsionaram a carreira de Bowie em todo o mundo e ficaram marcados pelo lançamento de grandes clássicos como 'Hunky Dory' e 'The Rise And Fall Of Ziggy Stardust And The Spiders From Mars', quando Bowie dá vida ao seu famoso personagem andrógino, Ziggy Stardust. São desta época as suas apresentações mais exuberantes. 

Embora de discos diferentes, 'Young americans' e 'Low' são das músicas que mais marcaram o final dos anos 70. Já nos anos 80 (1983), 'Let's Dance' ouvia-se no primeiro lugar da maioria dos top's mundiais. São do mesmo disco os êxitos 'Modern love', 'China Girl' e 'Blue Jean'. Mudando de novo a sua imagem e a sua música, lançou mais dois álbuns, um em 1989 o outro em 1991 e uns anos depois 'Outside' leva de novo a música de Bowie ao primeiro lugar do Top britânico. Em 1997, novo disco, e, claro está, nova sonoridade. 

O mais recente disco chama-se 'Reality' e coincidiu com o momento em que teve de ser submetido a uma cirurgia, o que o manteve afastado dos palcos por algum tempo.

Para além da música, a sua paixão pelo cinema não é segredo, tanto que são marcantes os seus papéis nos filmes 'Merry Christmas, Mr. Lawrence', 'Labirinto' e 'Fome de viver', ao lado de Catherine Deneuve.

Noticia retirada daqui

sexta-feira, 10 de janeiro de 2014

quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

quarta-feira, 8 de janeiro de 2014

Cinema dos Anos 80 - The Lost Boys



terça-feira, 7 de janeiro de 2014

Grupos Musicais Portugueses - CTT

Os CTT surgiram em pleno "boom" do Rock Português, tentando cavalgar na onda de Rui Veloso, UHF e GNR.

Com origens no Conjunto Típico Torreense, de Torres Vedras, um grupo de baile, a banda decidiu colocar apenas as iniciais para se lançar no Rock Português.

Constituídos por Luís Plácido (voz), Augusto Alves (teclas), Tozé Monteiro (guitarra), Hernâni (aka Nani) Teixeira (baixo) e Gabriel Matos (bateria), os CTT lançaram, em 1981, o single "Destruição" (com "Vai No Ar", no lado B) que teve uma razoável aceitação do público.

Este era um grupo que já existia, ao contrário de muitos outros que se formaram de propósito para gravarem discos. Essa vantagem daria razões aos CTT para se manterem na crista da onda, mas tal não viria a suceder.

No final do ano de 1981 lançariam novo "single", desta vez com os temas "Hora de Ponta" e "A Moda Que Eu Quero".

As solicitações para concertos começaram a surgir e o autor deste artigo lembra-se de ver a banda ao vivo, fazendo a primeira parte das Girlschool, uma banda inglesa de Heavy Metal constituída apenas por raparigas. No concerto houve um incidente com a banda, quando os técnicos ingleses resolveram desligar a aparelhagem e os microfones à banda, tendo esta interrompido o concerto abruptamente.

Augusto Alves, que os restantes membros da banda chamam carinhosamente o "Sr. Augusto" por ser de muito mais idade que eles, colocava o som do órgão a sobressair entre aquela massa musical de maneira diferente do que faziam os restantes teclistas. Isso fazia com que os CTT tivessem um som próprio que os distinguia dos restantes grupos que pululavam por essa época.

Em 1982 editam o seu derradeiro testemunho musical, um LP intitulado "Oito Encomendas Discriminadas No Verso".

Produzido por António José de Almeida (baterista dos Heróis do Mar), este LP contém, tal como o título indica, 8 canções: "Ovni", "Em Terra De Cego...", "Ai Que Sina A Minha", "Uma Noite Passada", "É Bom", "Ilusão", "Há Uma Lei" e "Chapa Batida".

O "design" da capa é como uma encomenda dos Correios e está muito bem conseguido.

Apesar da produção de António José Almeida e de algumas das propostas musicais apresentadas no disco não serem de deitar fora, a banda não teve sucesso com este disco. Podem ouvir-se um bom vocalista, um bom baixista e o sempre presente som do órgão do Sr. Augusto a comandar as operações.

Os CTT continuariam, ainda, por mais dois ou três anos como banda de Rock, regressando, como grupo de baile (até 1994).

O Sr. Augusto tem uma empresa de promoção e produção de bandas e Nani Teixeira é o único que continua como músico profissional, fazendo parte da banda que acompanha Luís Represas.

Para a história do Rock Português ficam os CTT, como uma das bandas que não conseguiu singrar, depois de feita a "separação das águas". No entanto, como já foi referido, tratava-se de uma banda com propostas interessantes.

De carreira ainda mais curta [do que a de outros grupos da época] foram os CTT, designação que este grupo adoptou durante o período do "boom" sem querer renegar a origem de Conjunto Típico Torreense. Tinham também uma sonoridade pesada e foi com "Destruição, Destruição, Destruição" que entraram a matar nos tops nacionais. Vinham dos circuitos dos bailes, conheceram o mesmo sucesso rompante e fulminante, a mesma loucura de gravação contra-relógio. "Tinha-se pouco, pouquíssimo tempo de estúdio", recorda Luís Plácido, o ex-vocalista dos CTT: "Aquilo era entrar já com tudo muito bem ensaiado e toca a andar. Não havia tempo para experimentações em estúdio ou para testar fossem quais fossem as possibilidades". Ainda no mesmo ano de 1981, os CTT gravaram um álbum, "Oito Encomendas", mas já havia desencanto no ar.

O ex-baixista dos CTT, Nani Teixeira, de todos o único que ainda permanece como músico profissional", aponta que "viveu-se ali uma época de grande evolução, uma evolução de qualidade e de diversificação, mas em nome da qual foram justamente as bandas que abriram as portas do 'boom' do rock português que depois acabaram por pagar a factura". O líder do grupo, Augusto Alves, recorda que os CTT tinham "uma história muito diferente da maioria das bandas que apareceram naquela altura": "Já existíamos antes, já tocávamos todos juntos como Conjunto Típico Torreense muito antes de toda aquela loucura acontecer. Já tínhamos clientela antes, a certa altura fizemos aquilo, e depois regressámos ao público que tínhamos". Recusando-se a acreditar que os CTT tenham sido "um fenómeno de época balnear", o ex-baterista da banda, Gabriel Matos, afirma que os CTT "ainda continuaram mais uns anos, mas deixou-se de acreditar nas gravações". (...)

Augusto Alves, o "senhor Augusto", como a ele se referem os demais ex-elementos da banda, muito pela diferença de idades, mais ainda pelo respeito àquele que identificam como o "dono" do grupo, foi o homem que levou pela mão o Conjunto Típico Torreense dos bailaricos ao estatuto de banda roqueira, nos tempos do pioneirismo do rock cantado em português. E, se o Conjunto Típico Torreense dos bailes sobreviveu até 1994, os CTT que entraram nos tops dos inícios dos anos 80, a cantar "Destruição, Destruição, Destruição", já há muito tinham ficado para trás.

DISCOGRAFIA
Destruição/Vai No Ar (Single, Polygram, 1981)
Hora de Ponta/A Moda Que Eu Quero (Single, Polygram, 1982)
Oito Encomendas (LP, Polygram, 1982)

NO RASTO DE...
O baixista da banda, Tozé Monteiro, 44 anos, deixou o grupo por meados da década 80, por dificuldades de compatibilização com o trabalho que desempenha ainda nas Finanças de Torres Vedras. (Pública/99) 

Luís Plácido, 40 anos, o vocalista que tocava guitarra como Jimmy Hendrix - com os dentes - é técnico de electrodomésticos e refrigeração e tomou em braços muito da programação cultural da colectividade da Caixaria, para os lados de Torres Vedras.  (Pública/99)

O baterista, Gabriel Matos, 49 anos, foi desenhador, funcionário público, agora é decorador de interiores, mas continua teimosamente na música, com uma banda que roda pelos circuitos dos bares, a Banda Sonora, em que de vez em quando também alinha Tozé Monteiro.  (Pública/99)

Hernâni Teixeira, 40 anos, dono e senhor dos solos de viola baixo nos CTT é, de todos, o único que permanece como músico profissional. Depois de uma busca de "refúgio" no Luxemburgo, porque só afastando-se conseguiria sair dos CTT, regressou a Portugal e tem acompanhado desde já há algum tempo Luís Represas.  (Pública/99) Nani Teixieira também chegou a acompanhar Mafalda Veiga.

Augusto Alves tem uma empresa de produção e promoção de bandas.

segunda-feira, 6 de janeiro de 2014

Cinema dos Anos 80 - Mad Max 2


domingo, 5 de janeiro de 2014

Anos 80 - Cinema - Cavegirl

sábado, 4 de janeiro de 2014

sexta-feira, 3 de janeiro de 2014

quinta-feira, 2 de janeiro de 2014

Cinema dos Anos 80 - Maximum Overdrive


quarta-feira, 1 de janeiro de 2014

Cantoras dos Anos 80 - Debbie Harry


Embora com cinco discos a solo, até com algum sucesso, Deborah Harry é mais conhecida por ser a vocalista dos Blondie. Foi adotada aos três meses de idade e viveu em New Jersey até completar o liceu. Com 18 anos, decidida a fazer da música a sua profissão, mudou-se para Nova Iorque, onde, durante um ano, trabalhou como secretária no escritório da BBC Rádio. Foi empregada de mesa, bailarina e 'coelhinha' da Playboy (Playboy Bunny). 

Começou por cantar com um grupo de música Folk, passou por outras pequenas bandas e, já a meio dos anos 70, quando se cruzou com Harry e Stein, juntos formaram os Blondie. Daqui para a frente, e durante dez anos, Debby Harry, loura e sensual, deu voz e vida a muitos êxitos dos Blondie. 

Quando os Blondie se separaram, em 1982, Deborah seguiu a solo e 'French Kissin' (In The USA)' foi a música com que conseguiu maior êxito. 

Nos anos 90, embora continuasse a gravar, Debbie investiu muito mais no mundo da representação, de tal maneira que, feitas as contas, representou cerca de trinta papéis como atriz. Durante a década de 90, Debbie Harry investiu muito pouco na carreira musical. 

Dezassete anos depois (1999), quando já não se esperava, os Blondie regressaram e com novo álbum, 'No Exit', na bagagem. A música 'Maria' voltou a colocá-los nos top's de venda e animou muitas pistas de dança em todo o mundo! 

Aos 53 anos, o seu nome foi escrito no Guinness World Book of Records , como a cantora mais velha a chegar ao primeiro lugar do top do Reino Unido. Foi em 1999 com a música 'Maria'.

Noticia retirada daqui
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens populares

Recomendamos ...