sábado, 29 de novembro de 2014

quinta-feira, 27 de novembro de 2014

terça-feira, 25 de novembro de 2014

domingo, 23 de novembro de 2014

Cantoras dos Anos 80 - Eugénio Melo e Castro


Eugénia Melo e Castro (Maria Eugénia Menéres de Melo e Castro) nasceu, na Covilhã, em 6 de Junho de 1958. O seu avô Ernesto era maestro, compositor e violonista por isso não foi de estranhar que aos três anos já tivesse aulas de piano. 

Nos anos de 1977 e 1978, Eugénia fez parte do grupo de teatro "A Barraca". Ainda nesse período, participa no filme "Prá Frentex" de Joaquim Leitão. 

No verão de 1979 grava, com a colaboração de Júlio Pereira e Jaime Queimado, uma maqueta de quatro originais que se destinavam ao seu primeiro álbum (1).  Em 1980 é a apresentadora do programa "Quadrados e Quadradinhos" da RTP. 

Antes de lançar o seu primeiro disco, já tinha participado como cantora em discos de Sérgio Godinho, Júlio Pereira, José Afonso e Fausto. Foi também a autora e intérprete da música da conhecida série de animação "Ouriço Cacheiro". E foi uma das fundadoras da cooperativa de música "Era Nova" com nomes como Sérgio Godinho ou Fausto.

Em 1981 desloca-se ao Brasil (2) onde trava conhecimento com o músico Wagner Tiso. O seu primeiro disco, "Terra de Mel", com a participação de músicos portugueses e brasileiros é editado no início de 1982.

O disco "Águas de Todos Ano", gravado no Brasil, foi editado em 1983. O single de apresentação incluía o tema "A Dança da Lua", em dueto com Ney Matogrosso.

Participa como actriz na telenovela "António Maria", da Rede Manchete, com Sinde Filipe. O tema do genérico é "A Dança da Lua". Em 1985 participa ainda no tema "Emissário de um Rei Desconhecido" do disco "Música em Pessoa". Uma música composta por Milton Nascimento sobre um poema de Fernando Pessoa, gravada com a participação especial de Toninho Horta no violão.

O álbum "Eugénia Melo e Castro III", gravado no Rio de Janeiro, em 1986,  inclui temas produzidos por  Wagner Tiso, Guto Graça Mello, Toninho Horta e Tulio Mourão.

A cantora é operada à tiróide. Após a convalescença grava o disco "Coração Imprevisto" no qual é acompanhada pelo piano de Wagner Tiso. No disco, editado em Fevereiro de 1988,  participam também os brasileiros Caetano Veloso e Zeca Assumpção e os portugueses Carlos Zíngaro e Pedro Caldeira Cabral.

Em 1989 é editada a dupla colectânea "Canções e Momentos" com uma selecção de temas dos discos "Terra de Mel", "Águas de Todo o Ano" e "Eugénia Melo e Castro III", dois temas novos ("Todo o Sentimento" e "Canções e Momentos") e uma nova versão de "Terra de Mel" com arranjos de Mário Laginha.

Em Setembro realiza seis espectáculos, com lotação esgotada, no Teatro Ipanema, no Rio de Janeiro. No Brasil recebe três prémios: o da crítica, o da imprensa brasileira e internacional e o da "mulher do ano" atribuído pela revista "AZ" de São Paulo.

Colabora no disco "Cais" de Ronaldo Bastos onde interpreta, em dueto com Ney Matogrosso, o tema "A Luz do Meu Caminho".

O disco "Amor é Cego e Vê", de 1990, inclui versões de temas portugueses do princípio do século alguns dos quais recolhidos no arquivo da RDP. Participam no disco nomes como Milton Nascimento, Gal Costa, Chico Buarque, Caetano Veloso e Ney Matogrosso. O espectáculo gravado pela TV Cultura no Memorial da América Latina, em S. Paulo, foi considerado um dos dez melhores do ano pela critica brasileira.

É apenas em 1990 que se estreia ao vivo em Portugal sendo um dos concertos no Teatro S. Luiz. Os espectáculos  contaram com a direcção musical de Mário Laginha.

Em 1993 é editado "Lisboa Dentro de Mim - O Sentimento De Um Ocidental". O disco é apresentado ao vivo no Centro Cultural de Belém.

O disco "Eugénia Melo e Castro Canta Vinicíus de Moraes" é editado em 1994. No ano seguinte colabora em "Amarga Vinha" de Carlos Lyra.

No disco "Ao Vivo Em São Paulo", gravado em São Paulo, em Novembro de 1995, interpreta criações de Tom Jobim e Vinicíus de Moraes" e versões de "Fado Tropical", "Argonautas" e "Fado Lisboa".

Participa como actriz no filme "Bocage, o Triunfo do Amor" de Djalma Limonge Batista. No filme interpreta o tema "Liberdade", poema de Bocage musicado por Livio Tragtemberg.

Colabora com o músico Fábio Tagliaferri no tema "Pela Manhã".

Em 1999 produz e apresenta o programa "Atlântico" que teve a participação de Nélson Motta, como convidado especial.

Nos dias 2, 3 e 4 de Junho de 2000, apresenta no Sesc Pompéia, em São Paulo, o espectáculo "Surpresas", com direcção de Wagner Tiso.

Em Novembro de 2000 são editados em Portugal os discos "A Luz do meu Caminho" e "Canta Vinicius de Moraes".

Em 2001, a cantora lança no Brasil a compilação "Eugénia Melo e Castro.com" e reedita os álbuns "Eugénia Melo e Castro canta Vinicius de Moraes", "Vaga Azul" (lançado originalmente como "EMC III") e "Eu Não Sei Dançar" ("Lisboa Dentro de Mim" aquando da 1ª edição em 1993). 

Em 2001 foi editado o disco "Recomeço", título escolhido para o primeiro disco da cantora, com os temas da maqueta que originou o disco "Terra de Mel", numa versão remasterizada. 

"Motor da Luz", gravado ao vivo, em Junho de 2000, é editado em Novembro de 2001. O disco que se esteve para chamar "Surpresas - 20 anos de Brasil" inclui  o tema "Surpresas", um inédito de Gonzaguinha com letra da cantora.

Em 2002  passa a assinar como Eugénia MC e é editado o CD "Paz". A cantora assina todas as letras e co-assina as músicas com o produtor do disco, Eduardo Queiróz. Recupera ainda o tema "Dentro" escrito em parceria com Pilar.

Grava "Paz ao Vivo" com edição prevista para o Natal de 2003. O single "dança_da_lua.2004.doc" (com a "moonshine mix" e "club remix" de "A Dança da Lua") foi lançado em Agosto. Grava em S. Paulo um show especial para a Sony Music Entertainment Television, para exibição nesse canal de televisão e edição em DVD.

O álbum "Des construção" é dedicado a Chico Buarque, o qual colabora nos temas "Olé olá", "Injuriado" e "Bom Conselho".

Em 2007 edita um disco com versões de temas portugueses, como "Amor", "Sonho Azul" ou "Romaria".

(1) "Recomeço" foi editado em 2001. A maqueta incluía os temas "Instrumental" e "Recomeço" (gravados como "Beco do Tiso" e "Começo de Mar") e mais quatro inéditos.

(2) «Eu defino este meu trabalho entre Brasil e Portugal como uma ponte feliz» EMC/JT

DISCOGRAFIA
Terra de Mel (LP, Polygram, 1982)
Águas de Todo O Ano (LP, Polygram, 1983)
Eugénia Melo e Castro III (LP, Polygram, 1986)
Coração Imprevisto (LP, EMI, 1988)
Canções e Momentos (Compilação, Polygram, 1989)
Amor é Cego e Vê (LP, Polygram, 1990)
Lisboa Dentro de Mim (CD, BMG, 1993)
O Melhor de Eugénia Melo e Castro  (Compilação, Polygram, 1993)
Canta Vinicíus de Moraes (CD, Megadiscos/Som Livre, 1994)
Ao Vivo Em São Paulo (CD, Som Livre, 1996)
Canta Vinicíus de Moraes (CD, Sony, 2000)
Ao Vivo Em São Paulo (CD, Som Livre, 2000)
A Luz do Meu Caminho (CD, MVM, 2000)
Eugenio Melo e Castro.com - Duetos (Compilação, Eldorado, 2001) - Brasil
Recomeço (CD, Som Livre, 2001)
Motor da Luz (CD, Som Livre, 2001)
Paz (CD, Som Livre, 2002) (como Eugénia MC)
Des Construção (CD, Megamúsica, 2005) (como Eugénia MC)
POPortugal (CD, Universal, 2007)

SINGLES
Beco do Tiso/Terra de Mel (Single, Polygram, 1981)
Dança da Lua/Meu e Assim (Single, Polygram, 1983)
dança_da_lua.doc.2004 (Single, Som Livre, 2003)


COMPILAÇÕES SE
O Melhor de 2 - Eugénia Melo e Castro/Gardénia Benrós (Compilação, Universal, 2001) 
A Arte e A Música (Universal, 2004)

Colectanêas
António Maria (1985) -
A Música Em Pessoa (1985) - Emissário De Um Rei Desconhecido
Bocage - O Triunfo do Amor (1998) - Liberdade
Songbook Chico Buarque (1999) - Tanto Mar (c/ Wagner Tiso)

Biografia retirada daqui

sexta-feira, 21 de novembro de 2014

quarta-feira, 19 de novembro de 2014

segunda-feira, 17 de novembro de 2014

quinta-feira, 13 de novembro de 2014

Grupos Musicais dos Anos 80 - Essa Entente


O grupo foi formado em 1984. O grupo de Paulo Riço (voz e guitarra, ex-Ezra Pound), Paulo Sousa (guitarra), Paulo Salgado (baixo) e Paulo Neto (bateria, ex-Spray, ex-Ocaso Épico) deu-se a conhecer através do 2º Concurso de Música Moderna do Rock Rendez Vous onde venceram uma das eliminatórias.

O tema "La Féria", com produção de Nuno Rebelo, foi  incluído na compilação "Divergências" da Ama Romanta. 

"Festa Final", gravado em Junho de 1986, aparece na compilação "Sons e Temas do II CMM".

Concorrem ao III Concurso de Música Moderna do Rendez-Vous onde ficaram em 2º lugar, a 20 votos dos Rongwrong e com mais 28 do que os Seres.

O acordeonista Manuel Machado (ex-Ocaso Épico) entra para a banda em 1987.

O disco de estreia dos Essa  Entente, produzido por Manuel Faria,  foi editado em Maio de 1989. O álbum incluía temas como  "Festa Final", Distante Melodia", "Pets-de-Loup" e "Dança  Nua".

As gravações do segundo disco chegaram a ser anunciadas mas nunca concretizadas.

Em 1994 participaram no disco de homenagem a José Afonso  depois de vencerem o concurso organizado para escolher três dos grupos participantes no disco, os restantes tinham sido convidados.


DISCOGRAFIA
Essa Entente (LP, Polygram, 1989)
Dança Nua/Pets-de-Loup (Single, Polygram, 1989)

Colectâneas
Divergências (1986) - La Féria
Música Moderna Portuguesa Volume 2 (1986) - Festa Final
Festa da Cerveja, na Cervejaria Real Lusitana (1986) - O Que Quero É Mais Um Copo!
Os Filhos da Madrugada (1994) - Senhor Arcanjo

FORMAÇÃO
Paulo Riço (voz, guitarra acústica) 
Paulo Salgado (baixo) 
Paulo Sousa (guitarra)
Manuel Machado (acordeão, teclas)
Paulo Neto (bateria)

NO RASTO DE...
Paulo Salgado esteve nos Pop Dell'Arte. Actualmente trabalha na Vachier & Associados onde é manager de Camané e de outros artistas.
Paulo Sousa passou pelos Transeuntes e Komintern. Paulo Sousa entrou para os D' Age, em 1994. 
Paulo Neto tocou com os  K4 Quadrado Azul.
Manuel Machado, que antes dos Essa Entente tinha feito parte dos Ocaso Épico,  chegou a tocar numa das primeiras formações dos Angra de Budismo de Farinha.

Biografia retirada daqui

terça-feira, 11 de novembro de 2014

domingo, 9 de novembro de 2014

sexta-feira, 7 de novembro de 2014

quarta-feira, 5 de novembro de 2014

segunda-feira, 3 de novembro de 2014

Grupos Musicais dos Anos 80 - Entes Queridos


Em 1985 ficaram em 2º lugar no Festival nacional da Nova Música Rock e foram considerados banda revelação do ano e esperança de 1986.

Em 1986, com um novo vocalista, Lourenço Rocchi (ex-Culto da Ira), mudam de nome para Fado Colorado e concorrem ao 3º Concurso RRV. Os outros elementos eram Jorge Paxá (bateria), Hermínio Tavares (guitarra), Rogério Correia (baixo), Alfredo Allen (guitarra) e José Augusto (percussão).

Zé Augusto (voz), Herminio Tavares (guitarra), Rogério Paulo (baixo) e Jorge Costa (bateria) retomam a designação Ente Queridos e em 1987 gravam a k7 "Desta Vez Para Sempre...", editada pela portuense K7 xunga!(1).

Entre 1987 e 1988, Herminio Tavares toca com os GNR com quem grava o EP "Videomaria". Depois de 8 meses nos GNR  volta aos Entes Queridos.

Em 1990 gravam o teledisco de "A Bela Aurora" para o programa Pop Off. O grupo é um dos finalistas do Concurso Rock/Pepsi.

José Augusto Pereira (voz e teclas), Jorge Costa (bateria), João Alírio (baixo) e Hermínio Tavares (guitarra) gravam o álbum "Folhas Caídas", produzido pelo grupo e por Fernando Augusto Rocha, que é lançado pela MTM. Ricardo Nunes (Af Gang) participa nos coros e Pedro Abrunhosa (A Maquina do Som) toca contrabaixo no tema "Dentro do Jardim".

(1) A K7 Xunga também editou cassetes de Nihil Aut Morts e Mata Ratos.

DISCOGRAFIA
Folhas Caídas (LP, MTM, 1991)

NO RASTO DE...
O baixista Alfredo Allen (Fado Colorado) fez parte dos Terra Mar com quem gravou o disco "Não Me Sigas Na Calçada"(MTM, 1992).

Entes Queridos--Hermino--vocalista Zé Augusto saiu + Rogério do baixo para aguitarra--

Biografia retirada daqui

sábado, 1 de novembro de 2014

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens populares

Recomendamos ...